Como lidar com críticas no seu trabalho?

Somos pessoas, com qualidades e defeitos, mais para a esquerda ou para a direita, com mais ou menos temperamentos, com esta ou aquela característica mais acentuada e o que nos surpreende mesmo é sermos alvo de críticas, sejam elas positivas ou negativas.

No nosso dia-a-dia, quer seja pessoal ou profissional, cruzamo-nos com as mais diversas pessoas, lidamos com as mais variadas situações, vivendo numa sociedade altamente critica e de julgamentos imediatos pelos bons dias que (não) demos, pela roupa que vestimos naquele dia, pelo objectivo que não conseguimos cumprir, ou pelo erro cometido naquela apresentação durante a reunião mensal, sendo importante sabermos lidar com as criticas que nos fazem.

Se a crítica é positiva, devemos simplesmente reconhecê-la e agradecer pelo facto de a terem feito, ficando satisfeitos. Por sua vez quando a crítica é negativa o nosso desagrado e sentimento de frustração ou mesmo de fúria é evidente, no entanto, devemos tentar encará-la, como uma crítica construtiva, se a mesma for justa e fizer sentido.

Deste modo, quando somos confrontados com uma crítica negativa devemos:

  • Respirar fundo

Ouvimos a crítica e não devemos reagir de imediato à mesma nem responder “na mesma moeda”, mas sim respirar fundo e interpretar aquilo que nos foi dito;

  • Fazer uma introspecção

Analisando a crítica devemos olhar para nos próprios, num exercício de introspecção, analisando a razão e coerência da mesma. Fazendo sentido devemos tentar aceitá-la, agradecendo o comentário, caso não faça sentido, não devemos relevar a importância da mesma, respondendo educadamente que não concordamos e seguimos com a nossa vida;

  • Ver a crítica como uma oportunidade

Se a crítica fizer sentido e a aceitarmos como parte de nós, é de facto interessante olharmos para ela como uma oportunidade de melhoria, como uma possibilidade de evolução, corrigindo os nossos erros e crescendo, tornando-nos cada vez melhor.

No final do dia não se deixe abater pelas críticas que lhe fazem ou opiniões que têm sobre si, pois somos pessoas em constante aprendizagem, num caminho de sucessos e falhas que nos tornarão sempre melhores.

Sofia Murta, 

Profissional de Recursos Humanos, com 6 anos de experiência profissional nesta área, apaixonada pelas pessoas e pela comunicação nas organizações. Defendo um equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional, com desafios e evolução constantes. Com 28 anos, tenho a escrita como hobbie e o desporto como paixão.

10 curiosidades acerca da retenção de talento

Curiosidade 1 – A felicidade produz uma hormona natural, a endorfina, que causa uma sensação de conforto e bem-estar.

Curiosidade 2 – O conforto e o bem-estar permitem que a pessoa fique mais ativa, mais saudável, mais positiva e mais comprometida com o lado bom da vida.

Curiosidade 3 – Uma pessoa ativa, mais comprometida com a vida e com o trabalho, é mais produtiva, gera bom ambiente, baixa níveis de stress, trabalha melhor em equipa e tem maior sentido de pertença.

Curiosidade 4 – O dinheiro é um motivador a curto prazo.

Curiosidade 5 – As empresas não conseguem muitas vezes pagar o vencimento que os colaboradores consideram que merecem.

Curiosidade 6 – O  Salário Emocional surge como alternativa ao pagamento em dinheiro, com a vantagem de ser motivador a médio e longo prazo.

Curiosidade 7 – Os trabalhadores gostam de ser ouvidos, de se sentirem parte de uma organização, de sentirem que as suas preocupações, interesses e necessidades são ouvidos.

Curiosidade 8 – O colaborador pode negociar o seu salário emocional! Ouvir primeiro o que a empresa tem para oferecer é a regra básica! A segunda regra básica é negociar tendo em conta o que são as necessidades de cada um e as mais valias que a empresa tem para oferecer. Existem empresas mais flexíveis e outras nem tanto!

Curiosidade 9 – Afinal a empresa tem muito mais para oferecer ao colaborador do que aquilo que pensa. Basta ouvi-lo e surgem as ideias de seguro de saúde para o colaborador e/ou família; flexibilidade horária, programas de desenvolvimento, nomeadamente de liderança, de talento, de competências para o exercício da função, a formação continua, os planos de carreira, entre tantas outras ideias para salário emocional que poderão complementar de forma muito satisfatória o salário real e manter o colaborador na empresa.

Curiosidade 10 – Um colaborador que sente ouvido, que sente que a empresa conta com ele, é um trabalhador comprometido com a empresa, é um colaborador que até pode não ganhar o que gostaria mas que sente um investimento feito em si, feito à sua medida e isso traz felicidade ao trabalho. E um colaborador feliz é um colaborador motivado, é um colaborador produtivo e comprometido com a missão da “sua” empresa!

Sofia Contente, Psicóloga, formadora e voluntária na Dress for Success.

Presença e Apresentação na Receção

aqui tínhamos falado na importância de uma imagem cuidada para um Rececionista de uma empresa.

Hoje, deixamos-lhe algumas qualidades e comportamentos que um Recepcionista deve revelar,  e que, não sendo inatas, se aprendem no exercício da função.

Quando atende um telefone

– Deve cumprimentar com a saudação de cortesia, «Bom dia» , «Boa tarde» e dizer o nome   da empresa de onde fala e por último o seu nome.

– Boa dicção. Não cortar palavras ou falar a correr.

– Falar pausadamente.

– Saber escutar para passar a mensagem.

– Se não percebeu o interlocutor, deverá pedir para repetir ou soletrar o nome.

Pessoalmente

– Deverá levantar-se para receber o visitante.

– Não deve ignorar o visitante. Se por qualquer motivo estiver a fazer algo que não possa deixar a meio, deverá levantar o olhar, dar a entender que sabe que o visitante está ali e pedir-lhe que aguarde um momento.

– Simpatia e cordialidade, é algo que toda a gente merece e gosta. Seja quem dá como quem recebe

– Formas de cumprimento «Bom dia», «Boa tarde», é uma forma de cumprimento que é sempre bem aceite. Ajuda a quebrar o gelo e prepara o visitante para se apresentar.

– Quando o visitante diz o nome, é conveniente fixá-lo.

– Há quem goste de se apresentar pelo título académico. No entanto, na dúvida, todas as pessoas deverão ser apresentadas por Senhor, e o apelido ou Senhora Dona, e o nome.

– Quando o Rececionista anuncia o visitante à entidade visitada, deverá esclarecer se está na receção pessoalmente ou se está ao telefone:

– A dicção deve ser pausada e consistente.

– Saber escutar é importante, para poder passar a mensagem correta

São atitudes e comportamentos que fazem a diferença, de quem recebe e de quem é recebido.

O Sorriso é o melhor cartão-de-visita.

Imagem1

 

 

Dulce Maria Custódio, Consultora Imagem e Comunicação Empresarial, (Personal Adviser – Direct Consulting & Protocol)

UM BOM TRATAMENTO!

Por razões que não consigo entender está hoje instituído o tratamento por Senhora!

Frequentemente, no café do lado, na repartição pública, no consultório médico, nas campanhas promocionais das empresas de comunicações sou abordada desta simpática maneira: «Senhora Maria Mouzinho»!

Por vezes, com sorte, surge a variante «Senhora Teresa».

Conseguem-se assim, se calhar para poupar palavras, dois fantásticos erros num só.

Em primeiro lugar, o meu nome, como o de tantas pessoas da minha geração, é Maria Teresa, como havia a Maria do Carmo, Maria Luísa, Maria da Graça, Maria Cristina. É verdade, sou entradota e nesses tempos éramos TODAS Maria qualquer coisa… É pois um erro assumir que o meu primeiro nome é Maria, não é. É Maria Teresa.

Mas o pior dos erros é abordar uma senhora que se não conhece, que é nossa cliente ou alguém que temos de atender, por Senhora Maria, Senhora Joana, Senhora seja o que for.

Às senhoras dirigimo-nos SEMPRE por «Senhora Dona», seguido do primeiro e último nome. E atenção! No caso das senhoras que têm Maria como primeiro nome verificar se não há um nome logo a seguir. Se não é um nome composto, como os que já referi.

Para os homens nunca se usa o primeiro nome, nunca! Por isso se estamos a atender num consultório que nos não passe pela cabeça chamar o Senhor Pedro ou o Senhor João. É sempre o apelido: Senhor Costa, Senhor Alves, sempre. Ou o primeiro nome e o apelido, Senhor Pedro Costa.

Não vale a pena tratar o mundo por Doutor ou Engenheiro. Nem todos o são e podemos estar na situação de não saber a profissão da pessoa que está diante de nós.

Mas…tratar as pessoas com correcção é fundamental.

Vamos lá dobrar a língua que não custa e deixarmo-nos da abominável moda da «senhora Maria»!

 

Maria Teresa Mouzinho, Editora

 

COMO TER UMA BOA ENERGIA DURANTE O DIA DE TRABALHO

Por vezes sente-se cansada, sonolenta, falta-lhe energia para agarrar os desafios ao longo do dia de trabalho e não consegue desempenhar a sua atividade tão bem quanto gostaria. Seguem algumas dicas que a poderão ajudar a sentir a sua energia revigorada.

BOA GESTÃO DE TAREFAS

O tempo é curto para todos os projetos e atividades que temos de desempenhar, por isso faça uma lista de prioridades e selecione as tarefas que lhe roubam mais tempo e exigem mais concentração e concretize-as no período em que se sente com mais energia durante o horário de trabalho.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E INTELIGENTE

Procure um nutricionista e faça uma alimentação rica em alimentos que lhe ofereçam boa energia e adequada ao seu organismo. A maioria dos alimentos saudáveis são fáceis de se encontrar no mercado e monetariamente acessíveis, caso não goste de alguns, lembre-se que o mais importante é manter a sua saúde, tente confecioná-los da maneira que mais gosta, faça um esforço para os consumir e evite alimentos processados com substâncias artificiais.

BEBA MUITA ÁGUA

Atenção, a hidratação é extremamente importante para uma boa energia, pois é responsável pelo transporte de nutrientes no nosso sangue. Beba água várias vezes ao dia, lembre-se que a sua pele e o seu cabelo são os extremos do seu corpo, se brilharem é sinal que o seu interior estará muito bem hidratado.

COMECE O DIA COM EXERCÍCIO FÍSICO

Antes de iniciar o trabalho, coloque os seus ténis, vista a roupa de desporto e faça uma atividade física de que goste. Se pensa que a vai cansar mais durante o dia, desengane-se, pois o bombeamento de sangue da atividade física é que irá mantê-la desperta durante o dia.

DEDIQUE UNS MINUTOS AO BOM HUMOR

Leve alguns colegas a um café e entregue-se a umas boas risadas com eles, o riso é uma terapia, veja alguns vídeos no Youtube que ache divertidos, ligue a um dos seus amigos mais positivos e bem-dispostos e rodeie-se de energia positiva.

LIMPE A SUA MENTE NA HORA DE ALMOÇO

Leia um livro, uma revista, o jornal ou almoce com uma amiga/o e reponha a sua energia para o resto do dia.

TENTE RESOLVER OS SEUS PROBLEMAS PESSOAIS

Resolva da melhor forma todos os problemas pessoais e possíveis de ser esclarecidos, tente remove-los da sua mente.

MANTENHA O SEU LOCAL DE TRABALHO LIMPO E ORGANIZADO

A organização e limpeza estão associadas ao nosso bem-estar, tornam o nosso trabalho mais fluído, dinâmico e consequentemente ficamos mais motivadas.

No final do dia verifique se as suas atividades profissionais estão cumpridas e escreva as tarefas do dia seguinte na sua agenda de papel ou digital.

Certifique-se de que gosta do que faz e disfrute do seu dia com a sensação de missão cumprida.

Joana Bento, Licenciada em Matemática Aplicada/senior risk analyst.

 

Gestão da expectativa: como lidar com o processo pós entrevista de emprego

aqui tínhamos falado na importância de gerir a expectativa num processo de entrevista, mas a verdade é que a gestão da expectativa não termina após essa entrevista. 

Por isso ok, teve a sua entrevista, correu aparentemente bem, ótimo! Pois continue a sua procura ativa, porque não sabe se é a escolhida e criar falsas esperanças apenas, porque o recrutador foi muito simpático consigo e no final disse-lhe que tinha gostado muito do seu curriculum e de a conhecer, não são garantias de que vai ficar. Lembre-se que existe uma pilha enorme de currículos para avaliar e certamente outras pessoas igualmente simpáticas e com bons currículos.

Até porque, os critérios que muitas vezes levam uma empresa a escolher um colaborador novo, ou a exclui-lo, podem não ter a ver com as competências que até existem, mas com fatores externos  de não ser selecionada, que lhe vão trazer grande frustração e desânimo.

Gerir a expetativa, especialmente num processo de procura ativa acima de 6 meses é muito importante para o seu bem-estar mental, para a harmonia familiar e para o sucesso da continuação dessa procura.

Por isso, o que fazer para se abstrair deste tema? O que fazer para que não se torne o foco da sua vida?

Tentar manter uma rotina diária é muito importante

Por exemplo, acordar cedo levar os miúdos à escola, se for o caso, organizar a casa e algumas tarefas domésticas, para que isso não venha a ser um motivo de discussão desnecessário. À hora do almoço convide uma amiga, caso não tenha ninguém disponível vá almoçar fora. Não se isole. Se não der para ir almoçar fora, ligue a uma amiga e coloque a conversa em dia.

Alimente os seus hobbies

Guarde um tempinho para ler, ou pintar. Se for boa em trabalhos manuais utilize essa capacidade e crie algo bonito. Criar trás uma sensação de bem-estar e concretização pessoal. E quem sabe nestes pequenos hobbies descobre uma vocação escondida.

Se gosta de ajudar e ser útil, faça voluntariado

Ajudar o próximo e perceber que apesar de nos faltar trabalho existem outros que tem menos do que nós, faz-nos repensar na vida, nas atitudes, nos pensamentos negativos. Ajuda-nos acima de tudo a sermos mais agradecidas e a apreciar as pequenas coisas.

Ás vezes chegamos mesmo a perceber que afinal aquela situação (de desemprego ou outra) não é assim tão má. Talvez passar por esta fase seja preciso para repensarmos o nosso caminho, repensarmos o que valorizamos e não valorizamos na nossa vida.

Seja numa situação de desemprego, ou demasiado stress no trabalho ou ainda se já acorda de manhã e é uma tortura ir trabalhar, pare uns minutos por dia e foque-se no que tem de positivo na sua vida, e para o último caso faça mesmo uma mudança estratégica, para bem da sua saúde física e mental.

Ultrapassar tempos difíceis só é possível se for positiva, não perder o ânimo e se principalmente não perder a capacidade de sorrir!

Imagem1

 

 

Irene Bernardo, RH Consultant

Isso do Coaching… é o quê, afinal?

Coaching (derivado do inglês coach) pode ser definido como a Carruagem que nos leva de um ponto até outro. Mas como (e quando) será útil esta ferramenta?

Quantos de nós não gostam da sua imagem, do seu trabalho, têm falta de autoconfiança ou de auto-estima, lutam com traumas do passado que os condicionam… A lista continua!

Vemo-nos constantemente confrontados com a necessidade de mudar a nossa forma de agir e de pensar se queremos concretizar os nossos objectivos.

É certo que a mudança nos retira da zona de conforto e abala a sensação de segurança. Contudo, repetir um determinado comportamento irá apenas originar os mesmos resultados – mesmo que já não sejam satisfatórios.

Quando as dúvidas surgem, a função de um Coach é a de nos oferecer possibilidades e lembrar que podemos, a cada momento, escolher. Novos comportamentos trarão novos resultados, e cada acção nos colocará mais perto do sucesso!

Um Coach não nos dará as respostas. Mas deve colocar as questões certas!

Quando pensamos “não sei como sair disto”, um bom Coach chega, pede licença, e pressiona o botão de Pausa. Dá-nos um espaço livre de julgamentos para expressar o que nos vai na alma e ajuda-nos a determinar um plano de acção e a ultrapassar os obstáculos que vão surgindo.

  • Tenho desafio X para superar.
  • Que alternativas tenho?
  • Até onde estou disposto a ir para cumprir com as minhas alternativas?
  • Que obstáculos posso encontrar pelo caminho? E como os posso resolver?
  • Como me vou sentir quando X for superado?
  • Como vou festejar a minha conquista?

De repente, temos uma solução!! E fomos NÓS que a descobrimos!!

O coaching é um caminho. Qual é o seu destino? E como pensa lá chegar?

 

Sara Martins, Coach & Consultora de Imagem, It’s All About Style